Conferência do PCP aponta caminhos para mitigar efeitos da seca no Alentejo

Criado em terça, 20 fevereiro 2018, 00:09

O PCP promoveu nas instalações da Universidade de Évora uma conferência sobre o problema da seca no Alentejo, na qual participaram dirigentes e eleitos do Partido e da CDU, académicos e técnicos.

A iniciativa promovida pela Direcção Regional do Alentejo sob o lema «A seca na região Alentejo: consequências e caminhos» permitiu um aprofundado debate sobre esta questão, nas suas múltiplas dimensões. As várias contribuições apresentaram pontos de vista e de análise próprios sobre a dimensão do problema e as suas causas, os seus efeitos ambientais e económicos e, claro, as soluções políticas indispensáveis para o minimizar e superar.

As variações climáticas, nomeadamente no que respeita aos níveis de precipitação, e a evolução das bacias hidrográficas e caudais dos rios foram analisadas na conferência, na qual se recusou, porém, limitar este grave problema a qualquer «fatalidade decorrente dos caprichos da natureza». Sobretudo porque – e o Alentejo é disso exemplo revelador – o maior ou menor impacto da seca na vida das populações está profundamente ligado a opções políticas: onde foram concretizados investimentos importantes, como é o caso de Alqueva, as consequências foram menores; onde as necessárias infra-estruturas não foram construídas (como são os casos de importantes zonas do Alentejo Central e Norte Alentejano) elas são mais graves.

Como ficou evidente em diversas contribuições, para inverter esta situação nem era preciso inventar nada: bastaria concretizar investimentos previstos ao longo dos anos em instrumentos de planeamento, como o Programa Nacional de Políticas de Ordenamento do Território, o Plano Regional de Ordenamento do Território do Alentejo, o Plano Nacional da Água, os Planos de Bacia Hidrográfica, entre outros. A incapacidade de armazenamento de água é a mais grave consequência desta reiterada opção política de sucessivos governos.

Medidas urgentes e de fundo

Mas há outros problemas que contribuem para a dimensão dos efeitos da seca no Alentejo. A opção por uma agricultura caracterizada pela intensificação do uso da água e da terra, numa lógica de acumulação de capital, é um deles. Em vastas áreas da região, concluiu-se na conferência, a vinha e o olival são a principal face desta realidade, que poderá ter efeitos nefastos a médio e longo prazo, não só a nível ambiental e paisagístico, como também económico e social.

Também a poluição e a contaminação de linhas de água e lençóis freáticos mereceram atenção no decurso do debate, pelas consequências que assumem na diminuição dos recursos disponíveis em condições de utilização adequada. São estas realidades, aliadas à fragilização e destruição de serviços públicos e à falta de medidas estruturais visando o desenvolvimento sustentado da região e a criação de emprego com direitos, que acentuam o despovoamento do Alentejo, com consequências na desertificação do território.

Na conferência, o PCP reafirmou a defesa (inclusivamente através da apresentação de propostas legislativas) de medidas excepcionais para a situação de seca, também ela excepcional, que actualmente se vive. O objectivo é assegurar o abastecimento de água e o desenvolvimento da actividade agropecuária. Estas medidas de mitigação e contingência, sendo fundamentais, não são suficientes, garante o Partido, que propõe outras, de fundo, capazes de planificar os investimentos necessários e definir prazos e meios para a sua concretização.

Um assunto que vai muito para além da água

Na conferência de dia 2 foram apresentadas várias medidas, de emergência ou de fundo, para minimizar os efeitos da seca no Alentejo. Algumas delas são propostas antigas, há muito defendidas pelo PCP e sucessivamente chumbadas pelos partidos da política de direita; se tivessem sido implementadas, a situação actual seria certamente outra, bem menos grave.

No imediato, o PCP defende a elaboração de um plano que hierarquize o uso da água em função da seca, combinando usos subterrâneos e superficiais numa lógica de complementaridade, privilegiando o uso humano, a saúde pública e a pequena e média agricultura. Para o PCP, qualquer intervenção nesta área terá que ter por base a titularidade e gestão públicas da água e a acção decisiva das estruturas da administração central, em coordenação com entidades regionais e locais.

As soluções políticas que visem reduzir as consequências de situações extremas de seca e melhorar a gestão dos recursos hídricos devem ter por base, para o PCP, uma perspectiva integrada que não se limite a medidas sectoriais. Assim, entre as propostas do Partido, reafirmadas na conferência, conta-se a aplicação do conceito de «rede hidráulica de infra-estruturas», como fonte de origem de armazenamento capaz de responder às necessidades, através da qualificação e reabilitação das existentes e construção de novas, e a valorização da lógica dos empreendimentos de fins múltiplos, como é por exemplo Alqueva.

A forma de gestão destes empreendimentos não é uma questão menor, sublinha o PCP, que defende a sua utilização como factor de promoção do desenvolvimento. Para tal, é fundamental adoptar um modelo que não assente na exaustão dos recursos e na exploração de mão-de-obra barata. Da mesma forma, a utilização da água para a produção de energia eléctrica não pode contribuir para impedir o acesso à água para outras utilizações.

A melhoria da capacidade de armazenamento de água, a ligação entre barragens, a correspondente construção de órgãos de regas, assumindo a ligação entre bacias hidrográficas, são questões decisivas, a par da aplicação de uma política tarifária de água que discrimine positivamente a pequena agricultura. Para os comunistas, também a divisão da terra deve ser assumida como instrumento de fixação da população e garantia de ocupação do território, de modo a dar corpo à ideia de uma reserva estratégica de terras que esteja associada a uma reserva estratégica de água.

(publicado no Jornal AVANTE)

Temos 141 visitantes e sem membros em linha

Copyright © 2018 Organização Regional de Évora do PCP. Todos os direitos reservados.
Joomla! software livre. Licença GNU GPL.
Wednesday the 20th. Joomla Templates Free. Organização Regional de Évora do PCP
Copyright 2012

©

joomla visitors